A Vigilância em Zoonoses e Supermercados Comper lançam oitava edição do projeto Agente Antimosquito


Por Allana Alfonso

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS), através da Unidade de Vigilância em Zoonoses (UVZ), e a rede de supermercados Comper lançaram, na tarde de quinta-feira (27), na loja do CPA 1, a oitava edição do projeto “Agente Antimosquito”, que consiste na capacitação de funcionários da empresa pelos agentes da UVZ que compõem o setor de Educação em Saúde. Além disso, são realizadas ações educativas e exposições voltadas aos clientes em todas as 6 lojas.

“A equipe vai nas lojas e faz a capacitação dos funcionários do Comper, explicando o ciclo evolutivo do mosquito, orientando quanto à prevenção. E as pessoas capacitadas pelos nossos agentes de endemias depois fazem a orientação ao seu redor, se tornam agentes antimosquito. A gente acha muito importante essa parceria! Seria muito bom se todas as empresas abraçassem essa ideia”, afirma Célia Carvalho, assistente social da Educação em Saúde da UVZ, que é o setor responsável por promover campanhas educativas em escolas, empresas e demais instituições.

De acordo com Lídia Pachori, coordenadora de eventos do Comper, o objetivo do projeto é combater os criadouros do mosquito Aedes aegypti nas instalações do grupo e formar multiplicadores do conhecimento, que acabam levando essa cultura da prevenção para suas casas e comunidades. “Todos os anos, no mês de janeiro, que é o mês de chuva intensa, a gente convida a equipe da Vigilância em Zoonoses para nos auxiliar nessa questão da prevenção à dengue nas lojas. Em cada loja, nós temos uma equipe treinada pelo agente de endemias Hélio, que ensina os funcionários a cuidar das lojas”, explica.

Para o coordenador da UVZ, José Antônio Noleto, a parceria com o Comper é de extrema importância. “É uma parceria sensacional porque abre a oportunidade de nós mostrarmos o nosso trabalho, que é muito difícil porque precisamos da colaboração das pessoas, precisamos que as pessoas abram a casa para os nossos agentes. Não é um serviço muito agradável porque os agentes apontam aqui e ali os problemas, mas é necessário porque eles levam o conhecimento”, pontua.

Durante o lançamento do projeto, foi montada uma mesa com exposição de larvas do Aedes aegypti (desde o ovo até o mosquito adulto), brinquedos feitos com material reciclável e que comumente acabam virando criadouros, banners com informações sobre o combate ao vetor da dengue, da zika e da Chikungunya. Além disso, houve distribuição de panfletos e cerca de 10 agentes de combate a endemias da região Norte marcaram presença para chamar a atenção de todos que passavam pelo local.

A estudante Isadora Christ Sarris, 12 anos, foi uma das pessoas que prestigiou a exposição e elogiou a iniciativa. “Achei muito legal e muito importante porque tem muitas pessoas que não sabem que tem que ter esse cuidado em casa. Inclusive a minha avó pegou chikungunya esses dias, já melhorou, mas todo o cuidado é pouco. Tem que cuidar, não deixar nada com água, ficar sempre de olho”, disse.

10 minutos contra o mosquito

Durante o evento, o agente de combate a endemias, Hélio Simião de Almeida, que compõe o grupo de Educação em Saúde da UVZ, fez uma breve explanação sobre os “10 minutos contra o mosquito”, estratégia que tem sido utilizada para eliminar os criadouros. A ideia é mostrar que, ao reservar 10 minutos por semana para fazer a vistoria e limpeza do quintal, é possível prevenir as doenças transmitidas pelo inseto. “Dez minutos por semana são suficientes porque o ciclo de vida do mosquito leva de 7 a 9 dias, do ovo até ele se transformar em mosquito adulto”, explicou Hélio.



0 comentário